Materiais

Tudo que o Oriente produz se concentra na manufatura de tapetes. Eles cultivam algodão, criam ovelhas, cabras e camelos. A seda é trazida das províncias chinesas. Antigamente os materiais eram melhores, o acabamento das lãs de animais era perfeito, apesar dos métodos primitivos. As tramas feitas com linhas muito finas eram maravilhosas. A lã crua tosqueada era trabalhada de 8 a 14 meses. Eles seguiam dois caminhos importantes para conseguir a garantia de qualidade dos materiais e, consequentemente, dos trabalhos. Primeiro tinham muito cuidado na escolha das fibras e, em segundo lugar, seguiam à risca uma lavagem profunda. Assim, só usavam fibras legítimas completamente preparadas, evitando as fibras estranhas e partículas de gordura penetrando na lã. A origem da lã é tão importante quanto o atado do trabalho. A boa lã mostra sempre um brilho típico. A lã de curtume é vista como pouco resistente ao tempo, por isso não é interessante usar lã curtida de animal. A lã é o melhor material para atar tapetes, independente se é proveniente de ovelhas, cabras ou camelos, ela só é superada por raros trabalhos de seda. Também aparecem outras fibras de plantas como juta, cânhamo, linho, mas são bem menos usadas. Não queremos entrar nesse assunto, porque aos poucos eles serão mencionados à medida que forem aparecendo.

Depois de preparada, a matéria-prima vai para o pátio de manufatura. A matéria-prima bruta chega da Ásia Menor, Tabriz, Kaschan, Turquia e China. Para selecionar o material especializado, são feitos alguns testes simples: a prova por meio do fogo, a prova da lupa e a prova de reação. Para fazer a prova do fogo, queima-se um fio do tapete. O cheiro das cinzas resultantes do material será o ponto de referência para a certificação da qualidade.